Sinpro Macaé e Sepe se posicionam contra a volta das aulas em fevereiro

369
Guilhermina Rocha, presidente do Sinpro. Foto divulgação

Veja ofertas dos principais supermercados de Rio das Ostras na uBay

As vacinas aprovadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária – Anvisa (CoronaVac e AstraZeneca) já estão em solos fluminenses. O Governador Cláudio Castro já apresentou a política de distribuição dos imunizantes aos 92 municípios do Rio de Janeiro. O anuncio acirrou ainda mais a pressão para que escolas voltem a oferecer aulas presencialmente mesmo quando não há uma política de imunização prioritária aos professores.

Em reunião, os Sindicatos dos Professores da Rede Pública Municipal de Macaé (Sepe) e dos Professores de Macaé e Região (Sinpro), que assiste os docentes das escolas privadas, se manifestaram em texto único se posicionando contra a volta das aulas em fevereiro.

Presidentes e representantes dos sindicatos estão atentos às orientações das principais instituições científicas do Brasil e do Mundo, que apontam a única saída para o fim da pandemia: a vacina.

O Sinpro Macaé e Região divulga para a imprensa o texto na íntegra assinado pelos dois sindicatos que se posicionam contra o retorno das atividades escolares presencialmente.

Ontem, 17 de janeiro de 2021, a Anvisa aprovou por unanimidade o uso emergencial de duas vacinas (Coronavac e Oxford/AstraZeneca) e no mesmo dia as primeiras doses já estavam sendo aplicadas nos profissionais da saúde de São Paulo. Uma notícia que deveria empolgar a todos nós, já que se trata de uma vitória da ciência que pode dar fim ao desespero e angústia trazidos pela pandemia, iniciada em 2020 no mundo todo. Porém, o cenário ainda é de preocupação, uma vez que, nos primeiros dias deste ano, o Brasil alcançou recordes bizarros e absurdos, atingindo a trágica marca de mais de 8 milhões de contaminados e quase 210 mil vítimas desse terrível vírus, mas também de uma política genocida e monstruosa praticada pelo Governo Bolsonaro, que ao invés de combater o Coronavírus com políticas públicas eficientes, investe na desinformação e medo, e num discurso negacionista e criminoso que tenta desacreditar a ciência.

Nessa última semana, todos nós acompanhamos estarrecidos e aflitos os relatos de profissionais da saúde e de familiares dos pacientes que em Manaus morriam asfixiados por falta de oxigênio e pela mais completa demonstração de incompetência deste Governo e seus ministros. Denunciamos meses atrás que o retorno às aulas presenciais em plena pandemia era grave e muito perigoso, e citamos justamente o exemplo de Manaus que seguinte a lógica assassina do negacionismo flexibilizou as atividades a ponto de abrir as escolas estaduais, provocando grande número de contaminação entre os profissionais da educação. Porém, a situação hoje é muito mais dramática e no Brasil todo. No Reino Unido as escolas voltaram a funcionar com aulas presenciais quando o nível de contaminação era considerado baixo, e apesar de todos os alertas, o governo manteve sua decisão, o que provocou um aumento de 26% de casos no período de apenas 12 semanas, isso significa três vezes mais do que o verificado nos hospitais (8%).

O estado do Rio de Janeiro continua oscilando entre as bandeiras laranja e vermelha, o que significa alto nível de contaminação. Na semana passada, a média móvel de mortes no estado subiu 147% em relação às duas semanas anteriores. No mês de setembro, pesquisadores do Núcleo em Ecologia e Desenvolvimento Sócio-Ambiental da Universidade Federal do Rio de Janeiro – Nupem – UFRJ alertavam para a possibilidade de uma segunda onda de contaminação ou continuidade da primeira, já que não chegamos a nos recuperar de uma para dar início em outra, o que foi confirmado nos meses de outubro e novembro. Conforme o painel do GT Covid 19 da UFRJ-Macaé de 16/01/2021, a região norte fluminense (abrangendo 9 cidades da região) possui quase 44 mil contaminados e mais de 1200 vítimas dessa doença, dos quais somente em Macaé são 13 mil contaminados e 254 seres humanos mortos por Covid 19.

O fato é que Macaé e região continuam com números alarmantes em relação ao mundo, e, portanto, não é possível planejar o retorno das aulas presenciais agora ou até que a vacina seja uma realidade para a população macaense, pois somente a vacinação massiva é capaz de proteger o povo da morte e das possíveis sequelas deixadas por essa doença. Sabemos que nossas escolas não possuem condições estruturais e sanitárias adequadas para lidar com tão alto risco, além do mais, não é de hoje que o Sepe Macaé denuncia a falta de profissionais nas escolas e reivindica concurso público já, o que em um cenário de pandemia torna-se ainda mais fundamental. E ainda que todos os protocolos fossem obedecidos e as condições estruturais das escolas fossem as ideais, sabemos com base nas evidências científicas que a vacina é a única medida eficaz para combater essa doença e que ela deve ser realizada em massa e gratuitamente para toda população.

Por tudo isso, o Sepe Macaé e o Sinpro Macaé e Região consideram precipitado um retorno das aulas presenciais neste momento, acreditamos que somente a vacina pode nos oferecer condições seguras para a volta das atividades letivas presenciais, mas também defendemos a abertura de um amplo debate público com a sociedade, que tenha como finalidade pensar na escola pós-pandemia, porque tornou-se evidente e incontestável que não podemos mais aceitar como “normal” as péssimas condições em que crianças e jovens, filhos da classe trabalhadora, são formados numa das cidades mais ricas deste país.

Precisamos repensar e reconstruir nossos espaços escolares imediatamente e as condições de aprendizado. Qualquer debate que se proponha a ser amplo e que tenha como objetivo discutir as condições físicas, sanitárias e estruturais das nossas escolas precisa envolver toda a sociedade, mas principalmente, aqueles e aquelas que constroem cotidianamente, com muito trabalho e dedicação, o nosso chão. Esse debate, portanto, precisa envolver todos os segmentos e setores, organizações de saúde como a Secretaria Municipal de Saúde, as entidades científicas como a Fiocruz, UFRJ através do Nupem e do Grupo de Trabalho Interdisciplinar Covid-19, pais e responsáveis, entidades estudantis, sindicatos, secretaria de educação, conselhos de educação municipal e estadual, comissões de educação e de ciência e tecnologia, enfim, um espaço amplo que privilegie a escuta, que dê voz a todos e a todas, e que tenha como objetivo a construção permanente de caminhos. Somente desta maneira é possível encontrarmos solução para as consequências deixada pela pandemia do século. A responsabilidade é muito grande para permanecer restrita aos gabinetes ou serem pauta debatida apenas com aqueles que lucram com a educação, que acumulam riqueza a partir da exploração dos trabalhadores e trabalhadoras. Esse debate tem que fazer parte do cotidiano da sociedade.

Nos basta, por agora, os exemplos do Reino Unido e Manaus, que suas dramáticas experiências nos sirvam de modelo do que não devemos fazer, por isso, queremos escolas fechadas para que mais nenhuma vida seja perdida, que o governo se empenhe primeiramente em oferecer à todos vacina de forma gratuita e que possamos reconstruir novos caminhos no pós-pandemia.

Destacamos ainda nossa defesa incondicional ao Sistema Único de Saúde (SUS) como um direito de todos os brasileiros e brasileiras, sistema esse que se mostrou uma ferramenta fundamental no enfrentamento à maior pandemia dos últimos cem anos, por isso, deve ser valorizado e defendido com unhas e dentes por cada um de nós. Um agradecimento especial aos profissionais da saúde que têm se colocado na linha de frente no combate à Covid-19.