Servidores de Casimiro de Abreu podem ficar sem gratificação salarial

984

Profissionais da educação, como professores e auxiliares de creche concursados de Casimiro de Abreu, reclamam que a prefeitura fez um uma solicitação ao jurídico do município, com o intuito de retirar a gratificação dos servidores concursados do município. De acordo com a classe, eles podem perder mais uma vez, por não estarem cumprindo seus horários em salas de aula, devido a pandemia do coronavírus.

Além disso, a classe também sofre com perdas e falta de benefícios, como o cumprimento da opção de ter a redução da carga horária, prevista em lei, passagem e alimentação que nunca foram oferecidos e pagos e há anos vivem assim. Agora diante da pandemia, perdem seus direitos em um momento de trabalho incansável.

Há quase um mês, os servidores vêm atuando com seus próprios meios eletrônicos, internet e materiais diversos, dando todo suporte aos alunos e seus familiares neste período de quarentena.

PREFEITO DIZ QUE NÃO VÊ A NECESSIDADE DE REDUZIR SEU PRÓPRIO SALÁRIO

“Tivemos ontem uma reunião com a comissão do COVID-19 e com o prefeito Paulo Dames. Uma das perguntas foi como vai ficar a parte financeira da atual gestão. Foi informado que eles irão cortar as gratificações e a regência dos professores. Perguntei ao prefeito se ele estava disposto a reduzir o salário dele e a resposta é que essa redução seria uma questão ínfima em relação a parte financeira total do município, então não via necessidade dele e dos secretários reduzirem os salários deles. É uma pena. Os professores perdem 400 reais enquanto o prefeito não pode perder 4 mil dos 24 mil que ele ganha. Desculpa a todos os professores, mas infelizmente é esse o Poder Executivo que nós temos na cidade.”

INACREDITÁVEL: PREFEITO PAULO DAMES DIZ QUE NÃO VÊ A NECESSIDADE DE REDUZIR SEU PRÓPRIO SALÁRIO E DOS SECRETÁRIOS, MAS CORTA GRATIFICAÇÕES DOS PROFESSORES "Tivemos ontem uma reunião com a comissão do COVID-19 e com o prefeito Paulo Dames. Uma das perguntas foi como vai ficar a parte financeira da atual gestão. Foi informado que eles irão cortar as gratificações e a regência dos professores. Perguntei ao prefeito se ele estava disposto a reduzir o salário dele e a resposta é que essa redução seria uma questão ínfima em relação a parte financeira total do município, então não via necessidade dele e dos secretários reduzirem os salários deles. É uma pena. Os professores perdem 400 reais enquanto o prefeito não pode perder 4 mil dos 24 mil que ele ganha. Desculpa a todos os professores, mas infelizmente é esse o Poder Executivo que nós temos na cidade."Essa gestão continua tirando de quem mais precisa em benefício próprio. Vergonha para Casimiro de Abreu.#equipeDrAdriano

Posted by Dr. Adriano Lima on Wednesday, April 15, 2020

IMPRENSA SEM RESPOSTA

Procurada pelo jornalista Adriano Pereira no inicio da tarde desta quarta-feira (15), por telefone e via e-mail, a prefeitura de Casimiro de Abreu não respondeu aos nossos questionamentos.

SEPE ACREDITA QUE ENSINO A DISTANCIA PODE PREJUDICAR ALUNOS

Em Casimiro de Abreu, após orientação divulgada no jornal oficial professores têm enviado exercícios para as escolas direcionarem aos alunos. Tendo em vista tais deliberações publicadas oficialmente, o SEPE orienta que apenas àqueles que dispuserem de meios e facilidade para isso o faça, para os alunos não ficarem ociosos. Porém, destaca que não poderão ser punidos os professores que não enviarem tais atividades complementares, uma vez que não está em seus contratos de trabalho o Ensino à Distância.

“Até agora não há nenhuma jurisprudência que garanta que o EAD realizado por instituições de ensino presencial seja validado como dia letivo. Ainda assim, defenderemos o pagamento do salário integral dos profissionais da educação, pois não somos culpados pela pandemia e não podemos pagar por isso, ficando sem salário para nos alimentarmos”, afirma o coordenador geral do SEPE, Luciano Barboza.

O coordenador geral do SEPE informa que, diante da pandemia de Coronavírus, o Sindicato defende a redução da carga horária de trabalho de profissionais da educação de ensino fundamental, médio e até mesmo superior federal, uma vez que também parte desses profissionais não foi capacitada e sequer dispõe de meios de Ensino à Distância.