Iguaba Grande: Prefeita Graziella Magalhães é afastada do cargo durante operação do MPRJ e Civil

A ação é mais um desdobramento da Operação Apagão.

356
Na foto, prefeita de Iguaba Grande — Foto: Heitor Moreira

A prefeita de Iguaba Grande, Ana Grasiella Moreira Figueiredo Magalhães, foi afastada da Prefeitura na manhã desta terça-feira (18) por determinação da Justiça. A informação foi confirmada pela sua assessoria de comunicação. O vice-prefeito, Leandro Coutinho, assume o cargo.

O afastamento da prefeita, aconteceu após uma operação onde nove mandados de busca e apreensão em endereços da prefeita de Iguaba Grande, e outros cinco denunciados por crime de corrupção e fraude em licitação foram cumpridos hoje pela manhã. A ação é mais um desdobramento da Operação Apagão deflagrada pelo Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) e Polícia Civil.

Durante o mandado de busca e apreensão cumprido pelo MPRJ e Polícia Civil na casa da prefeita, o marido dela, Marcelo Natividade Magalhães, de 41 anos, foi preso por porte ilegal de arma de fogo.

Além da ex-prefeita, foram denunciados o ex-secretário de governo Mauro Siqueira Gomes; o ex- secretário de obras Luis Jeronymo de Mesquita; a presidente da comissão de licitação, Valéria Santana Herdy; e outras duas pessoas denunciadas nas fraudes. O total de nove endereços se justifica em razão de alguns dos denunciados, como a prefeita, terem mais de um endereço para busca. Ana Grasiella, agora afastada do cargo por decisão do Tribunal de Justiça, era mantida no cargo em função de liminar obtida junto ao STF.

Na denúncia, apresentada no dia 19 de fevereiro, o MPRJ sustenta que a prefeita e os demais denunciados aceitaram montar um esquema de pagamento de propina, arrecadando vantagens ilícitas por meio de pagamentos, para que uma empresa do ramo de iluminação pública vencesse processo licitatório. Detalhes da denúncia seguem, até o presente momento, sob sigilo decretado pelo TJRJ.