Feira Literária em Rio das Ostras comemora centenário de Nelson Mandela

Evento foi realizado no Colégio Conceito de Rio das Ostras.

267

Um incentivo a mais à leitura, à formação consciente e crítica. Moradores de Rio das Ostras, participaram neste sábado (6) de uma Feira Literária que homenageou o centenário de Nelson Mandela e relembrará os 70 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos. Com entrada gratuita o evento contou com exposições de trabalhos, desenvolvidos por estudantes, bem como ações abordando diferentes perspectivas pedagógicas, entre elas: música, dança, trabalhos manuais e oficinas. A feira aconteceu no Colégio Conceito, na Rua Itaperu, número 117, localizada no Centro da cidade.

Esta é a terceira Feira Literária realizada pela instituição de ensino. De acordo com a coordenadora pedagógica do colégio, Guilhermina Rocha, o objetivo é estimular o hábito de leitura por meio de projetos que promovam atividades práticas e lúdicas. “Ao mesmo tempo, que conseguimos desenvolver habilidades e trabalhar conhecimentos de áreas multidisciplinares, reafirmaremos o valor de fatos históricos importantes para o Brasil e o mundo”.

Também foi lançada hoje, outra ação que incentiva o hábito de ler: o projeto “Troca-Troca de Livros”. Nele, os alunos puderam trocar livros uns com os outros.

CONTRA O RACISMO – Nelson Mandela foi considerado um dos maiores heróis da luta dos negros pela igualdade de direitos e foi um dos principais responsáveis pelo fim do regime racista do apartheid, vigente entre 1948 e 1993. O líder foi solto da prisão em 2 fevereiro de 1990, após 27 anos de prisão. Quatro anos depois, se tornou o primeiro presidente negro da África do Sul, cargo que ocupou até 1999. Mandela morreu no dia 5 de dezembro de 2013, aos 95 anos. Mas, em vida chegou a receber o Prêmio Nobel da Paz.

DIREITOS HUMANOS – O documento chega aos 70 anos com o desafio de continuar norteando a desfesa destes direitos e das liberdades individuais, uma vez que milhões de pessoas ainda possuem direitos sendo violados diariamente. Graças à Declaração, e o compromisso dos Estados, em muitos países, a dignidade de milhões tem sido protegida, sofrimento humano tem sido evitado e as bases de um mundo mais justo foram estabelecidas.